Pular para o conteúdo
Voltar

CGE interage com servidores da MTI sobre transparência, integridade e controle interno

A participação da CGE se deu na 1ª Semana da Integridade, promovida entre os dias 16 e 18 de novembro pela MTI
Ligiani Silveira | CGE-MT

Painel sobre cultura do segredo x cultura da transparência - Foto por: Ligiani Silveira - CGE/MT
Painel sobre cultura do segredo x cultura da transparência
A | A

Equipe técnica da Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) explanou, na última semana, a servidores da Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI), sobre a cultura da transparência, da integridade e do controle interno no serviço público. A participação da CGE se deu na 1ª Semana da Integridade, promovida entre os dias 16 e 18 de novembro pela MTI.

Na primeira participação da CGE no evento, a secretária-adjunta de Ouvidoria-Geral e Transparência, Elba Vicentina de Moraes, e a analista administrativa Aline Landini explanaram sobre a importância de fomentar a cultura da transparência no serviço público, na contramão da cultura do segredo das informações públicas. “Na cultura da transparência, o fluxo de informações favorece a tomada de decisões, a boa gestão de políticas públicas e a inclusão do cidadão”, pontuou a adjunta da CGE.

Nessa mudança de cultura, o servidor público tem papel fundamental pois lida com a informação pública, da produção ao seu arquivamento. “Se não mudarmos nossa consciência de que a informação pública pertence ao cidadão e que cabe ao Estado  fornecê-la, de forma compreensível e ágil, não conseguiremos levar a transformação à sociedade”, ponderou Landini.

Integridade

Painel sobre desafios e benefícios da integridade corporativa
Créditos: Ligiani Silveira - CGE/MT

 

Na segunda participação da CGE no evento, o auditor Rodrigo Amorim, da Unidade de Integridade da Controladoria, falou sobre os desafios e benefícios da integridade corporativa. Ele observou que aspectos comportamentais, como comunicação assertiva, compreensão e vivência dos valores organizacionais, tolerância e respeito com as diferenças, cordialidade em lidar com o outro, inclusão e incentivos ao bom comportamento dos colaboradores, são fundamentais para fomentar a cultura da integridade nas organizações.

E as lideranças têm papel fundamental no incentivo à cultura da integridade, pois elas devem ser exemplos para os colaboradores. “Na construção de uma boa cultura organizacional, deve haver o comprometimento da alta gestão para comunicar de forma clara os valores e princípios, ter diálogo aberto em todos os níveis da organização e engajar os funcionários”, acentuou o auditor.

Controle interno

Painel sobre controles internos
Créditos: Ligiani Silveira - CGE/MT

 

Na terceira e última participação da CGE no evento, o superintendente de Desenvolvimento do Controle, Norton Glay Sales dos Santos, e o auditor Ciro Rodolpho Gonçalves explanaram sobre o conceito e o objetivo do controle interno.

Eles advertiram que o controle interno não é atribuição somente da CGE e das Unidades Setoriais de Controle Interno (Uniseci) dos órgãos. Mas de cada servidor ao executar suas tarefas para entregar produtos ou serviços aos clientes da organização. “O controle interno é um processo conduzido pela estrutura de governança, administração e por todo corpo funcional da entidade”, explicou Norton.

O objetivo é contribuir com o alcance dos objetivos estabelecidos pela organização, com eficiência, qualidade e transparência da gestão. A diferença é que cabe a cada setor de uma organização executar os controles internos conforme normativos estabelecidos para cada processo. Já a CGE tem a função de avaliar se os controles internos adotados pelos setores são satisfatórios e, se for o caso, emitir recomendações de melhoria.

Reflexão

Para o presidente da MTI, Cleberson Antônio Sávio Gomes, o evento seguiu orientações da Lei Estadual 13.303/2016, que determina treinamento periódico sobre o Código de Conduta e Integridade e sobre a política de gestão de riscos a administradores. 

"Muito além do cumprimento de uma lei, a Semana da Integridade foi importante para refletir sobre como a conduta ética e íntegra pode afetar nosso dia a dia e como cada colaborador, dentro de sua responsabilidade, pode agir. Esta reflexão pode nortear como devemos conduzir nossa equipe em cada entrega para, consequentemente, contribuir com os resultados da empresa”, avaliou o presidente.

A gravação das palestras está disponível no canal de YouTube da MTI.

(Com informações Comunicação/MTI)